A Saudade que muitas das vezes nos leva à Solidão

A palavra Saudade tem a sua origem no latim e advém da palavra “solitatem”, que significa: Solidão.

A Saudade é um sentimento e até mesmo uma emoção que é criada pela distância de algo… E também pela ausência de alguém.

É uma distância… uma ausência… um afastamento entre pessoas ou algo… Um acontecimento.

É a quebra de algo que estava acontecer de forma regular na vivência de alguém, tornando-se assim, numa ausência e num afastamento. Pode ter vários motivos e também pode ser sentida a vários níveis da vida: anto pessoal, como profissional e até mesmo social.

A Saudade leva a um mix de emoções… de perdas. Perdas essas que têm várias procedências, tais como: afetivas, emotivas e carências, causadas pela quebra de vivências. Isto leva, por vezes, a um estado ou até mesmo há condição de Solidão.

A Solidão é uma condição ou um estado em que uma pessoa acha-se e sente-se desamparado/a… Sente-se só… Sozinho/a.

A Solidão é algo negativo. Surge, quando alguém se sente sozinho/a no mundo. Esta sensação não surge só quando alguém está literalmente sozinho/a; acontece também quando se está com um rodeado de imensas pessoas na vida.

A Saudade e a Solidão surgem quando algo afeta as interações das relações sociais reproduzindo uma enorme onda nostálgica na consciência do Eu, do Eu Sou.

A nostalgia leva ao corte de conexões tanto espirituais como físicas. As ligações perdem-se. O Eu Sou torna-se numa nova consciência acabando por deletar o que esta perda faz sentir… Até mesmo o que de positivo se criou… A nova consciência vai eliminar-se.

Esta nova forma de consciência é necessária para que não exista sofrimento e dor, criando assim, uma mudança de padrão e, ao mesmo tempo, uma elevação no Universo porque ao eliminar o que faz mal de alguma forma está-se a modificar os padrões vibratórios.

Porque devemos eliminar da consciência tudo o que não nos eleva? Tudo o que nos estagna?

Só após essa eliminação, aí sim podemos poder evoluir. E como eliminar da nossa consciência tudo aquilo que não nos eleva?

Agradecer tudo o que nos acontece tanto de bom como de mau através da Gratidão, amar tudo o que o que acontece através do Amor, perdoar os outros e a nós próprios através do Perdão, utilizar práticas holísticas, meditar ouvindo o Universo a comunicar connosco, ressoar mantras, fazer passeios pela floresta, fazer Pranayamas (técnicas de respiração), praticar Yoga, beber água, comer alimentos o mais saudáveis/puros possíveis e dedicarmo-nos à nossa própria felicidade.

É assim que eliminamos o que não nos completa… Cortando e desapegando o que não faz parte do nosso Eu, assim como a vida das Borboletas que se transforma, muda-se… Isto é um estado de verdadeira metamorfose.

Sempre que precisar repita a seguinte frase/mantra: A minha Luz saúda toda a nostalgia e dor que me fizeram ter e até mesmo sentir. Curvo-me perante a nostalgia e dor e agradeço.

Luz divina para todos/as! Gratidão e um enorme bem-haja! 🙏

Avalia este artigo

Patrícia Correia

Licenciada em Ciências Sociais - Minor em Serviço Social pela Universidade Aberta. Mestranda em Serviço Social na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Em descoberta do meu EU Superior. Formação em Terapias Holísticas: Reiki USui Shiki Ryoho - Nível III, Curso de Meditação - Praticante I e Formação de Instrutora de Yoga para Grávidas e Seniores.

Patrícia Correia tem 52 posts e contando. Ver todos os posts de Patrícia Correia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Part.
Partilhar
Twittar
Partilhar
Pin